Seria possível que nove pessoas, localizadas em três cidades de continentes diferentes atuem simultaneamente em uma mesma produção teatral? Sob a ótica de um quarto espaço imaginário que se vale dos recursos da Tecnologia, sim.
E será exatamente nesse ambiente que o público poderá assistir a peça Play on Earth, de 14 a 25 de junho, no Teatro da Universidade Paulista – UNIP – campus Paraíso, em São Paulo, Brasil, em Newcastle (Reino Unido), ou, ainda, em Singapura.
O público poderá conferir a peça tanto presencialmente como pela Internet, por meio da exibição pela TV WEB da Universidade Paulista, instituição patrocinadora do evento e gerenciadora da tecnologia envolvida.

 

fotos de Marcelo de Souza

Play on Earth

É o nome dado à peça teatral que, ao integrar três continentes, três públicos e, no mínimo, três culturas diferentes ao mesmo tempo, utilizará um mundo metafísico e imaginário para delinear o mundo real.
Ousado e de caráter global, Play on Earth se valerá de recursos tecnológicos dispostos em vídeo, áudio e conexão com a Internet para exibir uma história que usa uma linguagem cinematográfica.
Em cada lugar, o publico verá uma atuação ao vivo associada a uma imensa tela com imagens dos outros espaços, onde duas outras tramas se desenvolvem. Desse encontro, por incrível que pareça, nasce uma narrativa unificada que leva a um quarto espaço imaginário.
Como a peça acontece no Brasil, no Reino Unido e em Singapura, países que tem diferenças de fusos, as apresentações ocorrerão em períodos distintos (manhã, tarde, noite e madrugada). Mas engana-se quem pensa que essa diferença de horários é um dificultador, ao contrário, ela foi estrategicamente bem aproveitada pelos idealizadores e produtores da peça – Rubens Velloso (da Cia. Phila 7), Julian Maynard-Smith (Station House Opera) e Jeffrey Tan (Theatreworks), que as incorporou  em diferentes versões da narrativa, de forma que cada performance baseie-se em elementos locais e no horário real da apresentação. Isso confere aos atores a possibilidade de interagir ao vivo e de forma realística, correspondendo a hora e ambiente local, aproximando ainda mais o público à história.
Um personagem pode estar às 21h preparando-se para ir a um jantar, enquanto que alguém do outro lado do mundo está com insônia às 3 da madrugada ou, ainda, uma outra pessoa já pode estar tomando seu café da manhã. Play on Earth exibe com maestria os detalhes de cada cidade, trazendo ruas e costumes locais para a tela, reforçando, com isso, os aspectos regionais de cada cultura ora apresentada: o expectador viaja sentado em sua poltrona de frente ao palco ou ao computador.
Interação entre os atores nos três continentes é mais uma palavra-chave dessa peça.

http://www.youtube.com/user/PHILA7GAG
http://www.flickr.com/photos/25715768@N03

Fichas Técnicas

Brasil:
Diretor: Rubens Velloso: Cia Phila7
Assistente de Direção: Anik Meijer-Werner
Atores: Ana Souto, Andrea Tedesco, Beto Matos e Marcos Azevedo
Design de Luz: Mirella Brandi
Cenografia: Pablo Casas
Direção de Produção: Marisa Riccitelli Sant’ana
Coordenação Relações Internacionais: Eduardo Bonito
Patrocínio: Universidade Paulista

Reino Unido:
Diretor: Julian Maynard Smith: Station House Opera, UK
Atores: Emily Jane Grant, Jim Kitson,Mark Calvert

Singapura:
Diretor: Jeffrey Tan: TheatreWorks, Singapore
Atores: Gerald Chew, Lim Yu-Beng, Noorlinah Mohamed